Notícias

Delegados lançam documentário da maior greve da Polícia Civil

Posted by:

9 de novembro, 2018

Nesse curta-metragem, nove delegados relembram a histórica greve de 59 dias que abalou São Paulo, em 2008, quando policiais civis e militares entraram em confronto nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes.

Três delegadas de polícia se deitam na frente de viaturas para impedir a retirada dos veículos, ordenada pelas autoridades de Segurança Pública. Os carros oficiais guarneciam uma manifestação de policiais civis, que tentavam ser recebidos pelo então governador.

Sem canal de diálogo, a maior greve da história da Polícia Civil se arrastaria por 59 longuíssimos dias, trazendo incerteza à população, que assistia, atônita, a um inédito conflito entre a PM e a Polícia Civil. Imagens da época mostram bombas, tiros e policiais feridos, a poucos metros do Palácio dos Bandeirantes.

A cúpula da Segurança determina a prisão de uma das delegadas que organizava a greve, por coincidência filha de um dos maiores líderes dos movimentos estudantis de 1968, Luiz Travassos. Quarenta anos depois, em 2008, a marcha de policiais denunciava São Paulo por pagar os piores salários do Brasil.

Depois de uma década, os bastidores da histórica greve da Polícia Civil, são finalmente contados por seus protagonistas, no curta “16/10 – Um dia para não ser esquecido”. O filme será exibido, pela primeira vez, nesta segunda-feira, 12/11, às 18h30 horas, no Centro de Convenções Frei Caneca, no primeiro dia do Fórum Nacional da Inteligência Aplicada para o Combate à Criminalidade (IACC).

Produzido pelo setor de comunicação da Associação dos Delegados de Polícia do Estado (ADPESP), o documentário conta as histórias de nove policiais, selecionados entre os milhares de integrantes do movimento. Eles relembram onde estavam, o que fizeram e sentiram naquele dia. Explicando, por exemplo, a decisão de se deitarem na frente das viaturas.

“16/10 – Um dia para não ser esquecido” revisita aos momentos mais tensos da greve policial que abalou São Paulo, como a passeata de policiais civis no Morumbi, que o governo tentava barrar com cordões de isolamento formados por policiais militares.

Tiros, bombas e 35 policiais feridos no conflito entre as polícias. Em vez de mais segurança e valorização de seus policiais (civis e militares), a opinião pública percebe que o governo aposta no confronto armado e irresponsável.
O risco é enorme. Os policiais civis enfrentam atiradores de elite e tropas especiais de Choque, igualmente mal remuneradas. Recebem solidariedade de policiais de todo o país, que ameaçam nacionalizar o movimento. O caso vai parar no STF.

A greve é vitoriosa, altera a organização das carreiras policiais e cumpre seu objetivo de apontar o sucateamento da Polícia Civil. Mas o curta é extremamente atual. Passados 10 anos da greve histórica, os policiais paulistas ainda recebem o pior salário do país e trabalham com defasagem superior a 31% nos quadros da Polícia Civil, o que afeta o atendimento à população e a investigação dos crimes.

Entusiasta do curta metragem, o presidente da ADPESP, Gustavo Mesquita, diz que é importante avivar a greve policial, não só pela memória histórica, mas porque “a Polícia Civil ainda hoje é alvo de descaso por parte do governo, e quem mais sofre com isso é a população paulista”.

SERVIÇO:
“16/10 – Um dia para não ser esquecido”
Duração: 16 minutos
Horário: 18h30 horas
Local: auditório do Centro de Convenções Frei Caneca
Rua Frei Caneca, 569, Consolação, São Paulo/SP
Mais Informações: www.forumiacc.com.br
Organização e promoção: Sator e TechBiz

0